Dúvidas Frequentes

Dúvidas Frequentes

A flacidez no abdome é um problema que muitas mulheres acabam tendo depois que emagrecem ou após o período de gestação, esse excesso de pele na barriga não resolve com regimes ou exercícios na academia. Uma das intervenções cirúrgicas que corrige a flacidez do abdome é a dermolipectomia abdominal mais conhecida como abdominoplastia. Este procedimento corrige o excesso de pele localizados na região abdominal, retira as estrias abaixo no umbigo além de aproximar os músculos abdominais que estão afastados, resultando em uma cintura modelada e delicada.

Em alguns casos quando além de excesso de pele há gordura localizada, como nos flancos ( ``pneuzinhos``) e culote, o cirurgião pode associar a outro procedimento, a lipoaspiração ou lipoescultura. Durante a consulta você e seu médico decidirão qual a melhor intervenção para o seu caso. O Dr. Wellerson Mattioli participa ativamente de Congressos Nacionais e Internacionais para atualização da técnica e das novidades em cirurgia plástica.

A abdominoplastia é realizada em ambiente hospitalar com equipamentos de suporte, recursos para pronto atendimento, laboratórios e unidade de terapia intensiva.

Todas estas recomendações serão explicadas na consulta, além de serem entregues a você por escrito.
A cirurgia plástica não é apenas uma questão de vaidade. As mudanças no corpo para quem realiza um procedimento vão além da estética atuando também como importante fator na qualidade de vida, aumentando a autoestima, tornando uma pessoa mais confiante e atraente.
O local das cicatrizes pode variar de acordo com a escolha conjunta do cirurgião e paciente, podendo ficar situadas no sulco abaixo da mama, ou na área da aréola ou, ainda, na axila. Tem um tamanha aproximado de 4 cm e dependendo da localização é facilmente escondida pela queda natural da mama.
O lifting facial é uma cirurgia indicada para pacientes que apresentam flacidez e excesso de pele na face. Visa através de retirada do excedente de pele, corrigir a flacidez facial, atenuando as rugas estáticas, melhorando o contorno facial e proporcionando assim o rejuvenescimento.
A idade ideal para a correção desse tipo de anomalia é aquela denominada “pré-escolar”, ou seja, dos 5 aos 7 anos e, tal indicação, se deve a várias razões: primeiro, porque a orelha já está totalmente formada, atingindo quase o tamanho daquela de um adulto; segundo, porque evita que, na escola, a criança venha a sofrer problemas de ordem psicológica, em função de comentários ou zombarias por parte dos colegas. Todavia, nada impede que tal correção se faça em outras fases da vida.
A otoplastia é a cirurgia que reposiciona as orelhas mais próximas à cabeça, remove os excessos de cartilagem e esculpe as curvas, resultando em um aspecto mais natural em relação ao rosto.
Normalmente não é uma cirurgia dolorosa, podendo o paciente retornar brevemente ao seu trabalho. É comum um pequena equimose ( roxo) próximo as pálpebras e inchaço do nariz. O paciente permanecerá com um curativo ( micropore) sobre o nariz por tempo determinado. Como NÃO utilizamos tampão nasal, a respiração vai melhorando a cada dia, não trazendo desconforto para o paciente.
Os mesmos que para qualquer outra intervenção. Ou seja, anestesia local (simples ou com sedação), peridural, raqui e geral. A local costuma ser utilizada para procedimentos mais simples e rápidos e é aplicada próximo à região a ser trabalhada. A peridural pode ser injetada em qualquer altura da coluna vertebral e bloqueia a sensação de dor da altura do abdômen até os membros inferiores. As concentrações baixas não paralisam a movimentação muscular, ao contrário das mais altas. Já a raqui também deve ser ministrada na coluna vertebral, mas apenas da cintura para baixo e em uma profundidade maior. Ela sensibiliza a musculatura, portanto, não permite que a pessoa mexa as pernas e os pés. Porúltimo, temos a geral, que é um pouco mais trabalhosa e complexa. Primeiro, o anestesiologista coloca o paciente para dormir com a indução (aplicação de medicamentos pela veia), e só depois faz a entubação (colocação de uma cânula pela garganta com o objetivo de auxiliar a respiração e levar anestésicos vaporizados para os pulmões, que logo os mandam para a circulação sangüínea).
A anestesia geral é hoje muito segura. O medo desse procedimento vem de histórias de 40 anos atrás, quando a qualidade de monitorização durante a cirurgia era péssima, a ponto de os médicos verificarem o estado do paciente apenas com o estetoscópio, aquele aparelho usado para escutar as batidas do coração. Hoje, temos equipamentos moderníssimos, que captam qualquer alteração, por menor que ela seja. Além disso, as drogas são mais eficientes e menos tóxicas. Essa técnica tem também a vantagem de ser universal, isto é, pode vir combinada com outro tipo de anestesia. Dessa forma, torna-se possível administrar doses menores de medicamentos e, mesmo assim, aumentar a duração anestésica para até um dia inteiro.
Depende do tipo da cirurgia plástica e da sensibilidade de cada um. Geralmente, a lipoaspiração incomoda mais do que a operação de orelha de abano. E a cirurgia de abdômen importuna mais do que uma de seios. Em todos os casos, para evitar sofrimento, os médicos prescrevem o uso de medicamentos analgésicos, antiinflamatórios ou antibióticos. Vale ressaltar que a ausência de dor forte é um dos critérios levados em conta na hora de dar alta.
Sim, porém existem limites técnicos e de segurança. Pode-se associar cirurgias de regiões próximas, como lipo e abdome, abdome e mamas, blefaroplastia e cirurgia facial. Costumamos associar dois ou, no máximo, três procedimentos, evitando associar cirurgias muito grandes ou de regiões distantes, como, por exemplo, cirurgia de abdome e cirurgias faciais. Todo caso de associação de cirurgias tem sempre de ser discutido previamente com o cirurgião para saber se é possível tal conduta.
Primeiramente é muito importante procurar um cirurgião plástico de sua confiança, que tenho formação específica em cirurgia plástica e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Realizar todos os exames solicitados e avaliar a qualidade do hospital/clinica que será realizada sua cirurgia. Sempre é importante salientar ao seu cirurgião suas expectativas de resultados, além de informar suas doenças e medicações de uso diário.Comunicar até 2 dias antes da cirurgia, qualquer ocorrência, como gripe, indisposição, febre, etc.Deve-se evitar todo e qualquer medicamento para emagrecer, homeopáticos, antiinflamatórios e AAS, por um período de 10 dias antes do ato cirúrgico. Evitar bebidas alcoólicas ou refeições fartas na véspera da cirurgia. Orientamos tomar banho usando sabonete anti-séptico 48hs antes da cirurgia e não se esquecer de obedecer ao horário indicado de jejum de pelo menos 8 horas, não tomando nem água.
O risco não é maior nem menor do que qualquer outra cirurgia eletiva. O risco de ocorrerem eventos adversos é parte inerente à vida, presente em algumas profissões, viagens de avião ou automóvel e à alguns estilos de vida. O importante em qualquer ato cirúrgico é adotar medidas para reduzir ao máximo este risco, como obter o máximo de informações sobre o procedimento, seguir as prescrições e recomendações de seu médico, ser operada por um cirurgião plástico habilitado e em hospitais com adequada estrutura.
Normalmente é realizada anestesia local com sedação, podendo também serem feitas o bloqueio ou geral, dependendo de cada caso. É sempre importante salientar que em qualquer destas anestesias o paciente não vê e não sente dor. A escolha será feita pelo médico anestesista que ao avaliá-la indicará a técnica mais segura e eficiente.
Esta é uma das perguntas mais freqüentes. A escolha da prótese de mama deve ser feito em conjunto entre o cirurgião plástico e a paciente, visando o resultado estético mais natural e harmonioso. Vários fatores são determinantes na escolha da prótese de mama ideal, como o tamanho do tórax, altura e peso da paciente, além das características inerentes da própria pele da paciente. Associado as estas características da paciente, ainda dispomos de uma grande variedade de próteses, com diferentes marcas, formas ( anatômico,cônico, redondo) ,texturas ( Texturizada e Poliuretano), perfis ( baixo, moderado,alto e extra alto). Por isso é muito importante uma avaliação precisa de seu cirurgião plástico além da sua informação para seu médico sobre seus desejos e expectativas.
Sim, mas estas são localizadas em lugares estratégicos, visando disfarçá-las o máximo possível. Na prótese de mama, estas podem se localizar no sulco inframamário, parte inferior da aréola ou axila, sendo de aproximadamente 4 cm. As cicatrizes passam por algumas fases até atingirem a fase final de maturação: Período imediato: vai até o 30º dia e tem bom aspecto. Alguns casos apresentam discreta reação aos pontos ou ao curativo. Período mediato: vai do 30º dia até o 12º mês. Nesta fase haverá espessamento natural da cicatriz e mudança na sua tonalidade, passando de "vermelho" para o "marrom" até ir, aos poucos, clareando. Recomenda-se evitar a exposição solar e acompanhamento. Período tardio: vai do 12º ao 18º mês. Nesta fase, a cicatriz começa a tornar-se mais clara e menos consistente, atingindo o seu aspecto definitivo. No entanto, nunca podemos dar garantias quanto à qualidade das cicatrizes, pois a cicatrização depende de fatores próprios inerentes à cada paciente.
As cicatrizes podem ser posicionadas no sulco inferior da mama,ao redor da aréola, na sua metade inferior ou axila. Seu cirurgião discutirá com você quais as vantagens e desvantagens de cada uma dela e juntamente com você, escolherá a melhor técnica.
Alguns pacientes podem ter uma evolução menos favorável da sua cicatriz, apresentando uma cicatriz hipertrófica ou um quelóide. Alguns fatores aumentam este risco, à saber: indivíduos de pele negra; presença de cicatrizes prévias hipertróficas/queloidianas; história familiar.
As mamas terão o seu volume aumentado, dependendo do volume da prótese colocada e sua consistência melhorada através da cirurgia.
Este é o momento em que a paciente irá auxiliar para o sucesso da cirurgia. Devido ao fato de estar sentindo-se muito bem, a paciente às vezes pode esquecer-se de que foi operada recentemente, permitindo-se esforços prematuros que poderão lhe trazer prejuízos. Não se deve erguer os braços acima do ombro por 15 dias. Somente voltar a dirigir após liberada pela equipe médica, que usualmente após 10 dias e obedecer às instruções que serão dadas por ocasião da alta hospitalar, relativas à movimentação dos membros superiores ou massagens. Evitar molhar o curativo nas primeiras 48 horas. Evitar esforço físico extenuante nos 30 primeiros dias Obedecer rigorosamente à prescrição médica. A Alimentação deverá ser normal (salvo em casos especiais, que receberão orientação específica pelo seu cirurgião).Lembre-se que sucesso da cirurgia também depende de você, portanto, é necessário seguir corretamente as recomendações do seu médico.
Após a cirurgia as mamas passam por vários períodos evolutivos, em relação à sua forma até que o resultado final seja atingido: Período imediato: vai até o 30º dia. Neste período, apesar do aspecto bem melhorado, sua forma ainda está aquém do resultado final, bem firmes, com inchaço, com áreas de pouca sensibilidade e cicatrizes ainda avermelhadas. Período mediato: vai do 30º dia até o 6º mês. Neste período, a mama começa a apresentar uma evolução que tende à forma definitiva o que ocorrerá após o 6º mês. Costuma haver uma ligeira redução na parte superior da mama e a melhoria no contorno da mama. Período tardio: vai do 6º ao 12º mês. É o período em que a mama atinge a sua forma definitiva (cicatriz, forma, consistência, volume, sensibilidade). É nesta fase que devemos comparar fotograficamente o pré e o pós-operatório. O equilíbrio entre as mamas pode variar de caso para caso.
A gravidez, o ganho ou a redução de peso, a lactação e a amamentação costumam alterar, em maior ou menor grau, a forma das mamas, variando cada caso.
A grande maioria dos pacientes não apresenta alteração definitiva da sensibilidade das mamas. Alguns podem apresentar aumento na sensibilidade, outros uma redução, que costumam ser temporários. Alguns raros casos (menos de 1%) pode haver a perda definitiva da sensibilidade nos mamilos.
Habitualmente não, pois os implantes são colocados atrás da glândula mamária, mantendo intactos os ductos por onde são "escoados" o leite. A maioria das mulheres que se submetem à mamoplastia de aumento consegue amamentar normalmente.
Sim, a presença da prótese dificulta a realização e a leitura da mamografia, devendo ser avisado ao técnico da presença do implante. O mais indicado é que pacientes que colocaram prótese de silicone devem realizar ultrassonografia de mama. Importante salientar que a prótese de silicone não dificulta o diagnóstico de câncer de mama.
Normalmente não ocorre a rejeição da prótese. O que pode haver é um enrijecimento da mama devido à uma contratura da cápsula que se forma em volta do implante.
Não, obrigatoriamente. Terá sim que acompanhar a saúde de suas mamas e a integridade de seus implantes através de exames periódicos anuais.
O tempo varia de 1 a 2 horas, podendo ser ultrapassado em alguns casos. Entretanto, o tempo de cirurgia não deve ser confundido com o tempo de permanência no centro cirúrgico, pois esta permanência inclui a preparação anestésica e recuperação pós-operatória.
Normalmente a paciente tem alta no mesmo dia em casos que evoluem normalmente.
Geralmente a cirurgia de prótese de mama não é dolorosa. Uma cirurgia para a inclusão de próteses mamárias de evolução normal não deve apresentar dor importante e costuma ser bem controlada com a utilização de analgésicos e anti-inflamatórios comuns.
As cicatrizes hipertróficas e quelóides são diferentes e como tal possuem inúmeros recursos cirúrgicos e clínicos que permitem melhorar a aparência destas cicatrizes. O tratamento pode ser realizado com compressão física, medicações tópicas e para infiltração,além de revisão da cicatriz, dependendo do tipo de cicatriz, localização e tempo de evolução.
A contratura capsular é definida como a perda da elasticidade da cápsula que envolve o implante (prótese) de silicone. Normalmente ocorre a formação de um tecido (fibrose) em volta do implante de silicone após qualquer cirurgia que envolva materiais sintéticos. Isto é totalmente normal. Ocorre também em materiais de síntese óssea (pinos), implantes dentários, marca-passo, ente outros. Esta fibrose ocorre devido a uma defesa do organismo, o sistema imunológico desenvolve uma cicatriz interna sob a forma de várias camadas sobre a prótese. Quando essa reação é muito intensa ocorre maior produção de fibrose, que incide em uma menor elasticidade desta cápsula, o que caracteriza o processo de contratura (maior rigidez). Existem medidas e cuidados como prevenção para a contratura capsular e que têm como finalidade promover a menor reação possível do material sintético (o implante) com o organismo. Desta forma, deve-se executar uma técnica cirúrgica aprimorada, delicada e com menor trauma ao organismo. Estas técnicas menos agressivas também reduzem a incidência de hematomas e seromas, que são também vinculados à contratura. Relacionado com a infecção, deve-se prevalecer o controle absoluto da esterilização da cirurgia, incluindo hospital, materiais e equipe cirúrgica. Realizam-se também aplicação de antibióticos sistêmicos pela via endovenosa durante e após a cirurgia com intuito de prevenir a infecção. Além dessas medidas, deve-se tomar todos os cuidados pós-operatórios habituais como repouso relativo, alimentação adequada, evitar o cigarro e curativos adequados com objetivo de favorecer a cicatrização e prevenir eventuais complicações. Dependendo do grau de contratura capsular esta pode ser observadas, feitos procedimentos não invasivos ou retirada/troca das próteses.

Dr. Wellerson Mattioli

Instagram

Facebook