Prótese Peitoral Masculina

Prótese Peitoral Masculina



Sobre Prótese Peitoral Masculina

Para falar em próteses peitoral, temos que considerar dois aspectos básicos: o estético e o reparador. Os implantes de silicone para peitoral masculino são indicados para a situação de hipotrofia da musculatura peitoral, na qual não há resposta aos exercícios físicos e concomitante desejo do paciente em aumentá-los, ou nos casos de deformidades congênitas ou adquiridas que comprometam a musculatura peitoral. Mesmo com a disponibilidade das próteses peitorais, os homens ainda são resistentes a tal cirurgia. Muitos até revelam o desejo de colocar as tais próteses; porém, ficam amedrontados quando a palavra é cirurgia ou anestesia e preferem não ir em frente.

Nos casos de deformidades congênitas, com ausência do peitoral, alterações ósseas do esterno ou costelas, primeiramente devemos esclarecer o diagnóstico e o parecer de outras especialidades ligadas ao tratamento ou correção da estrutura torácica, quando necessário. É o que acontece com os casos de pectus excavatum, pectus carinatum e alguns casos de Síndrome de Polland que apresente alterações ósseas importantes.

As deformidades da parede torácica são denominadas de PECTUS e se traduzem pelo crescimento anormal das cartilagens costais, que empurram o osso externo para fora (CARINATUM) ou para dentro (EXCAVATUM). Estas e outras alterações podem ser decorrentes de Síndromes (Polland, Marfan e Jeune, por exemplo), ou de pós-operatório de ressecção tumoral ou trauma. O PECTUS acomete homens e mulheres e sua provável causa seria a ocorrência de um defeito no centro de crescimento das cartilagens costais durante a fase intra-uterina. Os entendidos afirmam que estas deformidades não têm nenhuma relação com a asma. Outro fator a considerar é o hereditário, devido à repetição destes casos em uma mesma família.


Por que ELES querem colocar próteses peitorais?

A colocação de prótese peitoral no homem tem o objetivo de aumentar o volume da região, proporcionando uma aparência mais definida e masculina ao tórax. Este procedimento também é indicado para correção de deformidades do tórax de origem congênita, tais como na Síndrome de Poland, que se apresenta com graus variáveis de deficiência e até de ausência do músculo peitoral. É importante frisar que a prótese de peitoral não confere ao seu possuidor a aparência de fibras musculares malhadas se o próprio músculo do indivíduo não for assim; pois a prótese fica por trás do músculo para aumentar sua projeção.


Tipo de anestesias

Local e sedação ou geral, dependendo do caso.


Tempo de duração

2 a 3 horas.


Período de internação

Normalmente 1 dia.


Consulta Médica

A consulta médica é o primeiro passo para a realização da sua cirurgia. A indicação e realização destes procedimentos são prerrogativas do cirurgião plástico de formação. Durante a entrevista médica serão expostos os seus desejos, insatisfações, medos, anseios e expectativas, que serão respondidas e avaliadas pelo médico. Este, por sua vez, fará o diagnóstico do seu caso, explicará sobre a indicação cirúrgica e fornecerá as informações necessárias para o procedimento. É o momento de tirar e questionar todas as dúvidas, portanto aproveite. É bom lembrar que não se examina pela internet. O médico tem que examinar e conhecer você pessoalmente para que a sua cirurgia seja analisada e realizada corretamente.


Cicatriz

A prótese pode ser colocada através de uma incisão próxima da axila e ficará situada abaixo do músculo grande peitoral a fim de projetá-lo para frente. Nos casos de pectus a linha da incisão pode variar seu posicionamento no tórax, dependendo das limitações de exigências de cada tipo de deformidade encontrada; mas, em geral para estes casos a cicatriz é colocada na linha médio-esternal.


Recomendações pré-operatórias

  • Pode ser necessária a realização dos exames laboratoriais, ultrassonografia da mama (em alguns casos), tomografia da parede torácica, eletrocardiograma, risco cirúrgico e pareceres médicos;
  • O jejum é de 12 horas antes da hora marcada para a cirurgia. Costumamos-se orientar o paciente para que este faça a sua última refeição até as 20h00min do dia que antecede a cirurgia; uma alimentação suave, nada de churrascaria; depois das 20h00min apenas água e a partir das 22h00min mais nada;
  • Suspender previamente o uso de medicamento que contenha AAS (ácido acetil-salicílico), arnica, ginkobiloba e anticoagulante, duas semanas antes e duas semanas depois da operação. Se você faz uso de alguma medicação anti-adesiva plaquetária, converse com o médico que a prescreveu e peça orientações. E, se você faz uso de anabolizante suspenda-o imediatamente. O uso crônico (tempo prolongado) de anabolizante poderá acarretar riscos sérios a sua saúde, entre os quais a hipertensão arterial, agressividade, câncer de próstata e fígado, etc;
  • Informe sobre medicação que faça uso constante; em geral alguns deles não são suspensos; neste caso leve-os para o hospital e relate-os ao anestesista; pois ele saberá como proceder. Informe sobre uso de lentes de contato, óculos ou algum tipo de prótese dentária;
  • Cigarro e Bebida Alcoólica: devem ser evitados, pois, compromete o procedimento anestésico, a cicatrização e a recuperação;
  • A cirurgia só acontecerá mediante a realização de tais procedimentos e o paciente deve-se encontrar em boas condições de saúde, com laudo de risco cirúrgico autorizado por um profissional médico;

Recomendações pós-operatórias

  • Alimentação livre, dormir de barriga para cima e com os braços relaxados ao longo do corpo; pentear os cabelos e escovar os dentes com cuidado; usar roupas de fácil vestir, nada de roupa muito justa no corpo;
  • O repouso é relativo e não exagere. Obedeça as orientações médicas e siga a prescrição médica no horário;
  • Podem surgir manchas roxas na pele em graus variáveis, de acordo com a extensão do procedimento e características individuais. Sua involução e desaparecimento levam tempo variável, ocorrendo mudança dos tons para amarelo-esverdeado e mudança de posição, até sumirem por completo. Este processo leva de 15 a 30 dias. O edema ou inchaço se faz presente, pois o procedimento cirúrgico realizado é um trauma que tem como uma de suas respostas fisiológicas a inflamação, que evoluirá para a cicatrização;
  • Evitar serviços domésticos (faxina, cozinha) ou dirigir carro por 30 dias. Em casos de intercorrências ou dúvidas mantenha o seu cirurgião informado;

Faixa de tórax ou Camiseta elástica para compressão do peitoral

Poderá ser uma faixa que envolva o tórax ou uma camiseta sem manga confeccionada com um tecido que visa fazer uma compressão uniforme e suave. O seu uso é diário, de maneira contínua, até na hora de dormir e durante 1 mês. A finalidade é de compressão, proteção, controle de edema e para evitar espaço vazio na área de descolamento cirúrgico. Tudo para uma cicatrização mais segura. A cicatrização não é apenas o resultado da incisão; o processo é mais complexo e envolve toda a área operada.